Expoente do teatro europeu e crítico de Bolsonaro, diretor suíço debate a violência

O teatro de Milo Rau é repleto de uma violência crua. Em “A Repetição”, o diretor suíço reserva 20 minutos de uma dura cena de tortura para recriar um crime por homofobia; coloca crianças no palco numa discussão sobre a pedofilia em “Cinco Peças Fáceis”; e relê imagens de guerras em “Compaixão. A História da Metralhadora” e noutros tantos trabalhos.
Leia mais (03/07/2019 – 20h00)