Diálogo de Hilda com mortos não tinha nada de transcendental, diz sonoplasta português

A técnica da escritora Hilda Hilst de se comunicar com os mortos não tinha nada de transcendental. Era, na verdade, ?a coisa mais simples do mundo?. ?Qualquer um poderia fazer em casa?, segundo o sonoplasta português Vasco Pimentel.
 
Responsável pela construção sonora do filme ?Hilda Hilst Pede Contato?, ele falou na manhã desta quinta (26), na programação oficial da Flip, com a cineasta paulista Gabriela Greeb.
Leia mais (07/26/2018 – 11h37)